quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

Algumas linhas sobre 2014

Mais um ano se acaba, e, dessa vez, me encontro em uma nova década de vida. Alguns planos atrasados, outros planos formados. Coisas que aconteceram só porque os planos foram atrasados. Coisas boas. Pessoas. Histórias, experiências. Havia bastante tempo que coisas assim não aconteciam. Diria que, de fato, esse ano foi um novo começo. Um recomeço. O começo de uma mudança.

Algumas fotos tiradas, várias lembranças. Mas, mesmo que devendo, termino o ano com um saldo bom. Novas perspectivas. Vidas. Poemas. Conexões e reconexões. Descobertas, certezas. E um amor que só cresce, cada vez mais.

Que venha 2015. Que seja melhor, que traga mais oportunidades, pessoas, aventuras. Que traga mais sonhos realizados.

segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

Tudo chegava, menos você.

É como uma daquelas noites
em que eu não te tinha,
em que a sua falta
me corrompia.
Uma daquelas noites 
em que eu me perdia,
entre palavras e mais palavras alheias;
tentativas vãs de te encontrar.
Mas então o sol aparecia,
os pássaros cantavam, 
o café ficava pronto.
Você desaparecia,
eu me encontrava.
Mas quando a noite chegava
e a lua aparecia,
tudo voltava.
Só você não vinha.

quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

Mudanças

Com o tempo aprendi que a vida é uma constante mudança. Ambientes, pessoas, ideias, valores, ideais. Aprendemos muito, mas nem sempre percebemos isso. As vezes são mudanças sutis, aprendizagens pequenas, mas que mudam o mundo. O meu, o seu. O nosso.
Ouvi dizer que tudo nasce de uma ideia, e acredito. São ideais que mudam o mundo. As ações vem depois. E com elas mais mudanças. Infelizmente, nem sempre pra melhor. Mas estamos sempre tentando, constantemente mudando. Muitas vezes ficamos no mesmo lugar, porque a mudança mais importante vive dentro. E mesmo assim continuamos os mesmos.
Talvez a maior batalha seja incorporar no dia a dia todas essas mudanças, ideais, valores. Mas com o costume, se torna hábito. Dar o chute inicial é o mais importante. E também nunca desistir. Não importa quanto tempo leve, um dia se chega lá.

domingo, 14 de dezembro de 2014

Você vem,
mas tão fugaz,
se vai.
E o lugar que
ocupas-te,
o vazio que ficou,
ocupa de uma só vez
todo o espaço.
E me sufoca na solidão,
na saudade,
na ânsia
de te querer aqui
novamente.
Pra tua presença
preencher
toda a vida que,
antes de ti,
me faltava.

quinta-feira, 27 de novembro de 2014

Balloons

"I'm filling balloons
with the air in my lungs.
Trying to lift my feet
from reality,
trying not to let
my dreams die.
These days are hard
for dreamers,
they say.
But they don't say that
these days are
also hard for the
lovers."

terça-feira, 18 de novembro de 2014

"Meus gritos são de dentro,
mas não saem pra fora.
Reverberam nas paredes da minha garganta,
do meu ser.
Ecoam desespero, angústia, ansiedade.
Ecoam a minha saudade.
E a abstinência, fazendo companhia,
não esquece a solidão."

terça-feira, 7 de outubro de 2014

Titanic

I feel us sinking
inch by inch
into the water,
just like Titanic.
Many lives,
but I could’t save us.
I couldn’t save you.
I couldn’t save our future;
It died in the water
just like our past and present.
I’m sorry, my love.
I know I’ll remember this
for the rest of my life,
you and I holding hands,
and the life slipping away.
There was nothing I could do.
There’s nothing I can do.
But if I only could go back in time
you would be here tonight.

sábado, 4 de outubro de 2014

Already home

Every now and then
I think about home,
the place where my heart is. 
Every now and then
I think about going home,
and since now it’s now it’s not an option,
I resign myself thinking 
I’m already home.
I’m under the same stars,
the same constellations
as I would be there.
I’m already home 
when I think about those
who I miss.

quarta-feira, 10 de setembro de 2014

Coisas mágicas

Eu costumava achar o pôr-do-sol daqui mais bonito. Mas, ao rever algumas fotos, lembrei de como o pôr-do-sol de lá é inigualável, mesmo sendo o mesmo pôr-do-sol. Havia esquecido de tal beleza, de tal magia. Magia aquela que sentimos poucas vezes durante a vida — poucas coisas despertam tal sentimento. Mas, quer saber? Não devia ser assim. Há tantas coisas tão mágicas por aí, e não nos damos conta de metade delas. Coisas simples, sutis. Uma flor, um luar, um pássaro cantando pela manhã. E quer saber mais? Todas essas coisas me fazem pensar em você. Queria que pudesse ver com os meus olhos, apenas por momentos breves, momentos chaves. Aqueles últimos segundos do pôr-do-sol, quando as estrelas já começam a aparecer. Queria que sentisse com o meu coração, também por breves momentos (porque não sei se te caberia tanta intensidade que, as vezes, transborda), momentos em que as coisas parecem infinitas. E são! Mas essa verdade a maior parte do tempo escapa aos nossos sentidos. Pode ser um infinito breve, em dias. Mas, quem sabe, também pode ser em anos, algumas décadas aqui e ali. E tudo isso faz um sentido tão grande! A magia e a beleza das coisas simples, dos sentimentos bons. De dias ensolarados e também de dias chuvosos, por que não? As vezes, somos tão conscientes de tudo isso que parecemos nos esquecer, deixar todo esse infinito escapar. Deixa eu te dizer, eu não esqueço. Tento apreciar cada momento desses com os olhos bem abertos. Bem alerta a cada detalhe novo, por mais simples que seja, talvez. E faço o mesmo com você. Te enxergo com olhos atentos, carinhosos e apreciantes. Com o coração latente, batendo forte dentro do peito.

terça-feira, 9 de setembro de 2014

Him

I should’ve told you personally.
I wanted to see the look on your face.
I knew you didn’t want me to come.
I knew I didn’t want to come.
But I came.
Somehow, I need it to.
I finally left you behind,
of all those times
I wanted to forget you.
But not like this,
not like me missing words to say,
not like your hug being so cold,
so fast.
Not in a hurry because 
I was just leavin’.
You and me have history.
And now I write this 
instead of sleeping.
It’s not right.
We are lacking some closure,
some words,
some clarity.
But we were just kids.
I thought I would have
more to say,
but after all these years
there’s nothing left to say.
You followed your own path
I followed mine.
I miss you.
I don’t know exactly what I miss, 
But I miss you.
I miss you being around,
here and there.
I miss our strange way of 
still being friends
after all that happened.
I miss your jealousy.
I miss your eyes 
looking into mine,
intensity.
I miss your presence.
I miss our afternoon movies,
we holding hands,
fear.
I even miss your mom.
I know it’s all just past.
Years and years behind.
Mostly if we count the years
we met.
It’s not dust.
It will never be dust.
I miss you
You and our devious history.
I miss the feeling that used to 
tell me we were meant to be.
But we weren’t.
At least not in that time,
at least not now.
I miss you.

sábado, 30 de agosto de 2014

Além Tejo

Você é o meu além Tejo,
que transcende as minhas 
fronteiras e continentes.
Captura o meu olhar 
e o faz refém,
e ao meu pobre coração
mal vê.
Finge que não faz parte 
dessa dança,
e observa de longe
enquanto danço.
Mas, meu bem,
esse além Tejo não vai
assim tão além,
e eu preciso do
teu bem.

segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Tanto tempo depois e ouvi alguém reclamar de um apagão no nosso antigo bairro. Foi num desses que te conheci oficialmente. Ainda lembro como se fosse ontem: era uma terça-feira de setembro. Você usava uma bermuda, chinelos e uma camisa branca. Sendo brincalhão como sempre, e naquela noite tive certeza que meu coração tinha se perdido e te encontrado. Quem diria, cinco anos depois e ainda sinto algo bom quando lembro de você. Foram tantos sorrisos que você me arrancou; sempre transformando um dia ruim em um sentimento bom, em paixão, em sorriso de orelha-a-orelha. Sabe, hoje em dia não comemoro mais os aniversários daquela data, mas continua sendo especial. Todos aqueles momentos, aliás. Sei que não coube a mim te retribuir todos esses sorrisos, aquele sentimento no peito que só aumentava. Mas não me entristeço. Agradeço pelos momentos, por você, por ter tido a chance de te conhecer. De todas aquelas músicas, a que faria mais juz ficou faltando. Não importa. Sendo o Saulo ou você cantando, eu sei que você foi o meu anjo.

domingo, 6 de julho de 2014

Marcas de batom

“São marcas de batom que duram uma vida, que deixam uma marca indelével - assim como a que você deixou em mim. Espero que quando seus olhos enxergarem a cor vermelha por aí você se lembre daquela vez em que essa cor tinha o formato da minha boca, aquela vez em que essa marca esteve presente em seu corpo, em você. Afinal, a cor vermelha também lembra paixão, amor. E espero que você também se lembre de mim por isso. Caso queira me encontrar, não se esqueça de trazer uma rosa vermelha. Será o bastante, sendo apenas uma lembrança do que fomos, e do que ainda podemos ser. Será o bastante para saber as intenções do seu coração. Mas não se esqueça que vermelho também é sedução e, ao mesmo tempo, não me queira por apenas mais uma noite. Tudo o que tivemos não cabe apenas em suspiros de prazer. Vermelho foi a nossa cor, de marcas de batom - aquele que você mais gostava - à cor das rosas que você me deu no nosso aniversário de três meses. A cor de algo vívido, intenso, como o que tivemos, de algo tão necessário como sangue. Seu sangue ainda corre em minhas veias, mas o que eu quero te perguntar é: o que você fez com todos aqueles beijos que te dei? Espero que alguma daquelas marcas de batom ainda estejam por aí, ainda que guardadas em uma fotografia.”

quinta-feira, 5 de junho de 2014

Bubbles

I fill myself with love,
a love that I give to you
in portions.
Little by little
each day,
in masked ways.
In a word or a care
my heart involves
all this feelings,
all this love.
But in the end of the day,
I’m still full of love
to give.
Little by little ends up
not being enough.
And now and then
I ache ‘cause you’re
not here,
or I’m not there,
and we’re not close,
physically speaking.
The day ends and
I feel like I’m in a bubble
and you’re outside of it,
but I cannot reach you.

terça-feira, 27 de maio de 2014

Stay

It’s 5 in the mourning and the sun is almost rising
the birds outside started to sing
and I’m looking at Venus and thinking of
how love can make it difficult for us to give up on
someone.
It hurts less giving up on giving up than
giving up on someone.
I’m thinking of how we are right now,
how I’m afraid you’ll leave again,
even knowing that we’re not that fine 
anymore.
Still, I don’t want you to leave.
I want you to stay.
Stay.
Stay because even not knowing how I feel
about you anymore, we had a great year.
Stay because of that connection I felt with you,
because I think it still exists somewhere between us.
Stay because there were times I thought we were
thinking of the same thing at the same time.
Stay because everytime I hear that song, that lately is kind chasing me, I remind of you.
Stay because when you are by my side everything is better.
Stay because when you’re by my side I try not to be so egocentric.
Stay because I want to take care of you. 
Stay because I want to keep discovering who you are, your layers. 

Stay, because if you go, it will be for the last time,
and I don’t want to lose you.

sexta-feira, 2 de maio de 2014

Sometimes seasons end too soon for us to realize

It was the end of the winter
and we were starting something new.
And as I watch the spring bloom,
I thought that, maybe for the first time,
this was it.
But when I closed my eyes you had already
jumped off our boat.
Today I know I can not blame you,
I was too frightened 
and at some point I would’ve done the same.
You were just the first one to jump.
And this is why I ran away from you
when you were looking for me.
I couldn’t let myself enter in all of that again.
Now I know. 
Sometimes seasons end too soon for us to realize.
As the winter.
As us.

quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

I know you are my home. You are where my heart is. But, sometimes, it’s not easy to go home. Sometimes we have to go in directions that’s not the right one, or the longest way, because the short one is not avaliable at the moment. Sometimes it takes time. Not because we want to, but because it’s not the time yet.
I’m sure of what I feel. I know that in the end of this path, regardless of what might happen, you still will be my home, my heart, where I wanna be. It’s you, and will always be.

sábado, 8 de fevereiro de 2014

The day I decided to leave,
I cried like I wanted to fill up an ocean
because I knew how much that would hurt me

and how much I would miss you.
And even knowing there was no going back 
after that point, in the end, 

all I wanted was for you to ask me
to stay. 
Even though I couldn’t.